< Corpo do filho de promotor é encontrado com marca de bala na cabeça em Vilhena
Notícias
Policiais

04/07/2013 09:12

Corpo do filho de promotor é encontrado com marca de bala na cabeça em Vilhena

Corpo do filho de promotor é encontrado com marca de bala na cabeça em Vilhena

Está confirmado: o corpo encontrado no meio da tarde desta quarta-feira, 03, numa área de mata às margens do rio Barão de Melgaço, a dois quilômetros do perímetro urbano de Vilhena, é mesmo do advogado Rodrigo Favaretto Lermen. O jovem, pai de uma menina de 4 anos e de um bebê de sete meses, saiu de casa hoje, deixando uma carta para a esposa. Não levou documentos, dinheiro ou celular, o que já prenunciava a tragédia.

Segundo pessoas próximas, Rodrigo, que era filho do promotor de Justiça Paulo Fernando Lermen, enfrentava um quadro depressivo, embora estivesse recebendo acompanhamento especializado para lidar com a situação. O aparente suicídio do advogado vem causando comoção na cidade, onde a família Lermen reside há mais de 20 anos.

O repórter Rogério Perucci esteve no local onde o corpo foi encontrado, mas assim como o restante da imprensa, não teve acesso ao ponto exato onde Rodrigo estava caído. Bombeiros e policiais militares entrevistados pelo jornalista, no entanto, confirmaram que o rapaz apresentava uma marca de bala na cabeça. Extraoficialmente, disseram que a arma que provocou o ferimento é um revólver de calibre 38. Também foi encontrado, segundo os policiais que atenderam a ocorrência, um recipiente com bebida alcoólica já destampado a poucos metros do cadáver.

A área onde Rodrigo foi encontrado é de difícil acesso e Rogério, do ponto onde ficou, conseguiu fotografar uma mochila e um boné que seriam da vítima. Havia também, junto a esses pertences, uma única cápsula solta no chão o que não é comum, pois quando uma arma desse calibre normalmente mantém o invólucro do projétil dentro do tambor após o disparo. O terreno acidentado tem apenas uma trilha e, para a remoção do corpo, será preciso o uso de outra alternativa que não veículos motorizados. No momento em que o repórter fazia a cobertura, havia um grande número de pessoas acompanhando o trabalho da perícia e da polícia. Ninguém soube informar a que horas havia sido feito o disparo que provocou a morte do jovem.

SUICÍDIO? – Nenhuma autoridade mencionou a morte do jovem como suicídio, mas esta é, ao menos extraoficialmente, a principal hipótese levantada, em virtude do comportamento do rapaz. A correspondência deixada por ele e o trabalho da perícia vão confirmar ou refutar esta possibilidade.

Fonte: Folha do Sul On LineCréditos de Fotos: Rogério Perucci

Fonte: Comando 190